Na mansão com um desconhecido

Sou a Vivi, tenho 19 anos e moro em São Paulo. Era meu segundo mês na faculdade quando me convidaram pra uma festa que a galera de Direito tinha organizado. Claro que aceitei, sou muito tímida e queria conhecer mais gente!
Chegou sexta (dia da festa) e, após a aula, fui à mansão onde haviam marcado a festa. Estava sozinha pois nenhum amigo meu foi, então fui logo procurando onde serviam as bebidas, no caso, a área da piscina. Enquanto caminhava pelos cômodos, não tinha como não reparar que lugar maravilhoso, tudo muito chique e de bom gosto! Não tinha muita gente, deu pra perceber que era algo mais exclusivo.
Inclusive, tinha mais mulheres do que homens… Estava bebendo sozinha quando um rapaz muito bonito, magro e alto, mas não muito, e com um olhar decidido, veio até mim: “Impressionante que mesmo com várias mulheres aqui, você se destaca”.
Puts, o cara acertou na mosca – eu pensei. Antes de responder qualquer coisa, minhas bochechas coradas me entregaram. Apenas sorri e voltei a beber.
O olhar decidido do rapaz não era pra menos. Percebendo minha vergonha, emendou: “Ficou envergonhada? Temos que trabalhar isso. Agora que está na faculdade precisa perder a timidez e eu, modéstia à parte, sou muito sem vergonha”.
Dessa vez soltei uma gargalhada… Fazia tempo que eu não transava e aquele papo me pegou de jeito. Como o rapaz era bem bonito e bom de conversa, tive que ceder um pouco pra ver no que ia dar: “Bom saber, pois entrei na faculdade justamente para aprender coisas novas… O que você sugere, professor?”.
Ele me estendeu a mão e eu a segurei. Fomos para o segundo andar pelas escadas, entramos em um quarto vazio e ele trancou a porta com tudo. A firmeza dele estava me deixando muito excitada, assim como toda a situação. Fui jogada na cama com força, eu ajeitei meu vestido, que era bem curto e, ao mesmo tempo que ia tirando meus saltos, percebi que ele ficou sem camisa. Gostei muito do que vi, mas gostei ainda mais de como ele veio por cima de mim e nos beijamos violentamente. Senti meu corpo todo ficar quente.
Ele subiu meu vestido em um só lance, tirou meu sutiã e calcinha e ficou me olhando peladinha por uns 2 ou 3 segundos, que olhar era aquele?
Lá veio ele de novo, foi descendo com beijos e chupões pelo pescoço, peitos e barriga e eu extremamente ofegante. Foi quando ele começou a lamber e chupar minha bucetinha com muita vontade, eu gemia alto para mostrar o quanto estava bom e ele continuou até o momento em que gozei deliciosamente! Nunca tinha gozado no sexo oral 😛
Depois de assistir ele comandar tudo até ali, empurrei-o com força, olhei bem em seus olhos e disse: “Agora vamos ver se eu aprendi algo!”.
Foi minha vez de joga-lo na cama (mesmo estando com as pernas bambas), tirei seu cinto e arranquei suas calças e cueca com vontade e de uma só vez.
Aquele belo mastro empinado pedia por um boquete, então me ajoelhei entre suas pernas e comecei o trabalho, mal conseguia colocá-lo todo em minha boca, até o momento em que ele forçou minha cabeça para baixo… Ouvi-o gemer alto, seguido de um: “Sua putinha, mama gostoso”. Aquilo me aqueceu ainda mais e comecei a mamar com força e bater uma punheta ao mesmo tempo. Quando ele tentou me tirar dali eu não deixei, continuei mamando e masturbando, ele gemia muito e tentava me avisar o que eu já sabia. Fiz ele gozar igual a um touro enquanto se contorcia de tesão.
Neste momento, sem mais vergonhas, a gente lembrou de se apresentar e eu descobri que aquela mansão era dele! Ele me convidou pra um banho e disse que não voltaria mais pra festa… Pois o agito até o fim da noite seria ali mesmo na suíte 🙂

Continua…

Deixe um comentário