Fodendo com meu professor

Esse é meu primeiro conto erótico… Vou começar com as descrições: meço 1,63, cabelos loiros e ondulados longos, rosto bonito e delicado, bastante coxa, cintura fina, seios e bumbum normais, completei 19 anos e estou no 3º semestre da faculdade de odontologia.

Sempre fui muito safada, era alucinada pelo meu professor de história, mas como ele era noivo há muitos anos, nunca deixei isso transparecer para ele, falava apenas para os meus amigos. Ele era novo, tinha de 25 a 28 anos, ruivo, alto, corpo definido, mas não era maromba, apenas bem definido, e tinha uma cara de safado, sabe? Todas as alunas eram doidas para por ele. Eu me tocava pensando nele inúmeras vezes, tinha um fetiche enorme em professor. Eu terminei o ensino médio e meus desejos nunca se realizaram.
Consegui passar na faculdade, estava toda feliz. No primeiro dia de aula, vejo meu ex professor estava na cantina, fiquei incrédula. Lógico que eu fui falar com ele e nos abraçamos muito forte que meus peitos até doeram, eu estava sem sutiã e com uma blusa que tinha as costas nuas. Só em ele acariciar minhas costas nuas, já fiquei toda molhadinha. Conversamos durante um tempinho, pois eu tinha aula, mas descobri que ele morava em frente à minha faculdade, fiquei torcendo para encontrá-lo mais vezes.

Um dia cheguei mais cedo na facul, postei uma foto e marquei a localização da faculdade, ele veio logo saber se eu estava sozinha, eu disse que sim e ele disse que queria me ver e estava indo pra lá, mas eu encontrei um amigo e precisei ir pra aula e tive que desmarcar. Novamente, nada aconteceu e eu continuava desapontada. Nós sempre nos esbarrávamos na faculdade, mas era a mesma coisa todas as vezes. Ele me dava um abraço, conversava qualquer bobagem e saia.

Por ideia das minhas amigas do colegial numa noite de bebedeira, mandei uma mensagem falando que era doida por ele, ele visualizou mas não respondeu e eu fiquei sem esperanças. Um dia nos encontramos na rua da faculdade e ele pediu meu número, eu dei. Quando eu cheguei em casa, tinha uma mensagem dele, disse que eu era muito gostosa e que ele sempre quis me foder. Eu estava excitada só por estar falando com ele, comecei a mandar várias fotos sensuais, do jeito que ele mandava até ele gozar.

Até que um dia eu não tive aula e resolvi ficar na facul pra terminar um trabalho. Eu estava tão concentrada que nem percebi que ele se aproximava, só percebi quando ele sentou do meu lado e disse oi bem pertinho do meu ouvido, me arrepiei toda. Na mesma hora fechei a tampa do computador e virei pra falar com ele. Dei um beijo na bochecha segurando na sua coxa, bem perto do pau. Ele disse que tinha amado as fotos, e que não apareceu mais porque a namorada dele estava na cola o tempo todo. Eu disse que não tinha o menor problema, não me importava com essas coisas, disse que eu só queria que ele me comesse, mas já que ele não podia, eu entendia. Quando eu disse isso, ele me olhou bem sacana e por baixo da mesa começou a alisar minha buceta, que já estava toda meladinha. Ele tirou o dedo da minha bucetinha e colocou na boca, chupando o dedo. E aí me puxou pra dar uma voltinha. Fomos pro carro dentro do estacionamento do prédio dele. Pois a noiva dele estava em casa.

Eu comecei a beijar ele, com vontade, e a passar a mão no seu pau, por fora da calça e já estava bem duro. Fui aumentando o ritmo e ele me beijava cada vez mais forte, apertava meus seios. Desabotoei o botão da calça e comecei a bater uma pra ele. Pedi pra ele continuar batendo e tirei a blusa, depois o sutiã, e meus peitos saltaram pra fora, enquanto ele batia, aquilo me excitava tanto, depois tirei a calça, bem devagar e fiquei de calcinha, por coincidência, era fio dental, deitei o banco do passageiro que eu estava e deitei de bruços, com a bunda pra cima empinando. Ele parou de bater punheta e agarrou meu rabo com força, dava tapas, e eu estava amando, até que ele me colocou de 4, eu com os braços apoiados no banco traseiro, ele deu um jeito e entrou no banco dianteiro e começou a me chupar como eu nunca tinha sido chupada. Logo eu gozei.

Depois ele voltou pro banco do motorista e mandou eu “retribuir o favor”. Ele tirou o short e eu segurei aquele pau duro grosso, cheio de veias, e passei a língua bem devagarinho pela cabecinha, abocanhei o pau todo de uma vez só e deslizei ele pela minha garganta e olhava no fundo dos olhos dele. Depois, voltei a chupar o pau enquanto massageava a cabeça pra provocar ele. Ele estava delirando. Depois fui chupando, e batendo punheta, acelerando o ritmo e ele gemendo, adoro quando o homem geme, pois assim eu sei se ele está gostando, do nada medi o pau dele todo na minha boca e ele soltou um urro de prazer. Chupei ele até ele quase gozar. Eu olhava direto pra ele com cara de safada. Batia o pau dele na minha cara, na minha boca, e ele estava adorando, só pela carinha de prazer. Até que ele voltou a me botar de 4 e insinuou colocar o pau na minha buceta, e eu louca rebolando, sedenta por aquele cacete dentro de mim, e ele só passeando com o pau em volta da minha buceta e dando tapas na minha bunda, eu gemia alto, até q eu não aguentei mais de tesão e enfiei o pau dele na minha buceta, para descontar meu ato de desobediência ele me fodia com tanta força e rapidez que não demorou pra eu gozar de novo. Ele me fodeu pesado. E no fim, tirou o pau pra gozar na minha boquinha. Eu como aluna obediente, engoli tudo.

Depois dessa vez, tiveram outras, e outras, e outras, em vários lugares e em várias situações. E até hoje nós nos encontramos nos estacionamentos da vida pra foder gostoso.

Deixe um comentário